PATO

O Pato Fu surgiu de uma união do trio mineiro John, que era dono de uma loja de instrumentos musicais em BH, Ricardo Koctus, que era funcionário desta loja e Fernanda Takai, que era cliente (péssima por sinal, só comprava cordas e palhetas).
Em 1993, o Pato Fu lança seu primeiro álbum, Rotomusic de Liquidificapum. "Nos anos 80 a MPB absorveu de vez a guitarra elétrica. Acontece o BOOM do Rock Nacional. Nos 90, o Rock absorveu de vez a MPB. Guitarras elétricas com Marujada-Congada (Virna Lisi), Forró (Raimundos), Maracatu (Chico Science) e Mundo Livre com cavaquinho. Neste contexto o PATO FU dá as caras com este CD: Rotomusic de Liquidificapum, pela gravadora independente Cogumelo Records. Um CD que impressiona à leitura de que o absorvido foi todo quebrado e reconstruído numa estética própia: Patofuniana.

MINHA BANDA PREFERIDA

DESDE QUE OUVI OS PRIMEIROS ACORDES DE UMA CANÇÃO DO PATO, EU ME APAIXONEI PERDIDAMENTE POR ESSA BANDA.
UM TRIO MUITO LOUCO, CHEIO DE TALENTO E MUSICAS LEGAIS.
DEPOIS JÁ ERAM QUATRO, CINCO...
E A BANDA CONTINUA MUITO LEGAL, FAZENDO UM SOM LEGAL. ISSO É QUE É SOM!!!!!!!!
PATO FU: ESSA É A BANDA

Pato Fu - Agridoce


E ao chegar lá fora direi que fui embora
E que o mundo já pode se acabar
Pois tudo mais que existe só faz lembrar que o triste
Está em todo lugar

E quando acordo cedo de uma noite sem sal
Sinto o gosto azedo de uma vida doce
E amarga no final

Saio sem alarde sei que já vou tarde
Não tenho pressa nada a me esperar
Nenhuma novidade as ruas da cidade
O mesmo velho mar

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

NÃO PARE PRA PENSAR

Nenhum comentário:

Postar um comentário